Minhas decorações no google

Fique muito tempo apenas colocando artigos no meu blogue sem nenhum conhecimento, depois de varios anos que aprendi um pouquinho sobre criar um artigo com conteúdo relativamente bom para o google e vou mostrar como faz isso.

  1. Nome do arquivo de imagem

O primeiro elemento a classificar suas imagens na proporção do seu computador, mesmo antes de a imagem ser carregada nos seus servidores: o seu nome de arquivo.

Para otimizar suas imagens para o Google, precisamos entender uma limitação dos rastreadores dos mecanismos de pesquisa. Eles são excelentes para entender o texto e a relevância de um conteúdo específico usando um algoritmo e avaliar palavras-chave.

No entanto, eles estão aprendendo a ler imagens. Então, antes de tudo, penso sobre este problema: como posso comunicar o conteúdo de uma imagem a um robô?

Minhas decorações no google

Por exemplo, pressupõe que você leia um rastreador do código HTML do seu artigo, que lida com os diferentes tipos de sacolas disponíveis no mercado.

Selecione uma bela foto de uma sacola para ilustrar a história que explica esse tipo de sacola ao seu torcedor. No entanto, o nome do arquivo é \ “IMG448.png \”. Quem terá acesso ao rastreador é:

Como você pode ver, essas informações não são muito úteis para explicar o conteúdo da imagem usada no artigo. Agora observe como seria o código em si se o arquivo tivesse um nome melhor:

Mesmo sem ver a imagem, podemos imaginar como você a vê, é verdade?

  1. Título da imagem.

Você sabia que as legendas são devidas às imagens 300% mais promissoras do que o conteúdo que elas contêm?

Isso significa que as legendas são excelentes oportunidades para atrair seus subsetores. E também o Google.

O mecanismo de pesquisa admite que usa legendas para extrair informações e tentar entender a imagem. Você se lembra que o rastreador não pode vê-lo? Portanto, qualquer elemento ajuda a comunicar ao robô o que é e o que não está contido.
Isso não significa que você deve legendar 100% das imagens em seus artigos, mas você deve usar essa função sempre que quiser classificar um arquivo visual específico.

  1. Contexto da imagem.

Segundo, o Google, um elemento de SEO do Google Images, é um contexto em que a imagem é usada.

É importante que a figura seja anexada ao artigo, quando relevante. É por isso que o algoritmo do Google usa o conteúdo das peças ao redor da imagem como contexto para entendê-lo.

Por exemplo, você encontrará “Melhores planos de plano”, e é interessante adicionar uma imagem de alguns planos de plano de fundo.

Minha imagem não será particularmente útil e até uma série de bolos se “tipos de artesanato” ou “ferramentas de jardim” tiverem sido adicionados à minha miséria.

  1. URL da imagem

Então, quando mencionamos a importância de estruturar corretamente o URL do seu site para ter uma classificação melhor que o Google? Uma lógica é a mesma quando chamamos imagens.

Então, como dissemos antes, também sabemos quando classificar nas Imagens do Google.

É importante organizar arquivos de URL lógicos e logicamente concisos para comunicar rapidamente ao mecanismo de pesquisa que a imagem é uma boa ideia.

Atenção tudo que estou passando eu aprendi com um consultor SEO recomendo todos entrar em contato como eu fiz.

  1. Compromisso com uma imagem.

Imagine pesquisar por “mochilas para crianças” em vez de imagens do Google. Ele permite que você escreva os resultados em uma foto específica na lista que chama a atenção: é uma mochila azul com um adesivo bonito.

Clique na imagem e a página irá para uma página em que vale a pena ler o formulário.

Algumas semanas depois, ele procura a mesma pesquisa, surpresas, a imagem que não tinha os resultados antes, agora no topo. O que aconteceu

Em princípio, se você clicar (ou pessoa), digo ao Google que suas imagens são relevantes. De qualquer forma, um lindo peglam chamou sua atenção e a atenção de outros usuários, mais cliques e importação de fotos.

Portanto, é importante usar a fonte e as imagens afetadas e tentar determiná-las, porque os números mais significativos assim como todos profissional de busca bom utiliza.

Como customizar uma lanterna japonesa

Tem luminária mais barata que lanterna japonesa? (até tem, hehe) Além de econômicas – paguei 5 reais -, elas costumam ser fáceis de encontrar em lojas no centro da cidade. O único porém é que você vai ter uma luminária igual a de muita gente. E é aí que eu entro na história. Tcharam!

Como customizar uma lanterna japonesa

Dá pra customizar uma lanterna japonesa de muitas formas, mas uma das mais fáceis e que dão um ótimo acabamento é colar papel de seda. Já tinha pensado nisso? Como a luminária também é de papel, o negócio meio que se mistura e fica parecendo que o objeto já veio assim. E o legal é que as possibilidades são infinitas, já que você pode recortar o desenho que quiser. Pra ver exatamente como fazer isso tudo sem detonar sua luminária, confira o meu passo a passo de hoje no Histórias de Casa.

E o styling da vez é todo tropical pra gente ficar sonhando com esse verão que não chega nunca (sempre tenho a sensação de que o inverno dura uns 7 anos e o verão 18 dias).

Tá aqui ainda? Corre ver o tutorial! 🙂

A Parede que você não vê

Faz muito tempo que queria fazer um post mostrando um pouco dos bastidores do blog. Mas eu me enrolei, me enrolei e me enrolei mais um pouco, por motivo de: eu não sabia muito bem como e o que contar pra vocês, e muito menos se isso interessaria a alguém. Mas resolvi fazer o post mesmo assim e aí vocês me dizem se acharam legal ou para-com-isso-miga. Tem outro motivo pelo qual procrastinei pra fazer esse post (procrastinadores sempre acharão razões): TODA fucking vez que eu ia fotografar um tutorial eu pensava em tirar foto dos bastidores e acabava esquecendo. Mas, felizmente, em alguns dos últimos eu lembrei e acho que já dá pra ter uma ideia de como a bagunça toda é feita.

A Parede que você não vê

Algumas pessoas também me perguntam como eu faço as fotos, e meio que hoje vou contar um pouco o geralzão, mas eu prometo que tentarei fazer outros posts dando dicas e compartilhando o pouco que sei sobre fotografia (o pró aqui em casa é o Moysés, eu sei o suficiente para manter o blog haha).

Bom, então vou explicar tudo didaticamente que acho que fica mais organizado e fácil de entender:

1. Onde você faz as fotos?

Tudo é fotografado na minha casa (quem me dera ter um estúdio), mais especificamente no chão ao lado da janela da sala, que é o local mais iluminado e onde tem espaço (mínimo, mas relativamente suficiente). Como decidi fotografar apenas com luz natural, que considero melhor para o tipo de foto que faço no blog, posiciono tudo o mais próximo possível da janela. Há exceções, como nos casos em que preciso de um espaço maior ou uma parede, aí acabo usando outros ambientes. Mas, sinceramente, eu evito ao máximo esse deslocamento, porque acho a iluminação muito melhor nesse cantinho ao lado da janela.

2. Você tem móveis de várias cores?

Não. Eu monto cenários. O que significa que eu uso fundos como base para as composições. Os que tenho por enquanto são: folhas grandes de papel colorido, uma placa de foam e uma base de madeira (que montei com ripas de pinus e pintei de branco). “Mas pra que fazer isso ao invés de usar, sei lá, uma mesa?” Porque eu gosto de criar minieditoriais e “contar histórias” por meio das imagens, então todos os elementos devem estar coordenados, inclusive a cor e textura do fundo.

3. Como é o processo de composição das fotos?

Antes de desenvolver o DIY, eu penso nos elementos/objetos que vou precisar para compor as fotos do produto final. Se eu decido usar alguma coisa específica que não tenho em casa, como uma flor ou fruta, já tenho que agilizar a compra. Esses objetos portáteis que fazem parte da composição da cena (em fotografia, cenários, etc) são chamados de props, ou simplesmente acessórios. São justamente estes elementos que ajudam a contar a história. Eu considero isso parte essencial do que faço aqui no blog, e, inclusive, de vez em quando compro alguma coisa que acho que será útil para as fotos, como um copo bonito, um lápis diferente ou até um pano de prato mais elaborado.

4. Como você faz para deixar os objetos com pouca sombra?

Uso rebatedores gambiarra. A-há, por essa vocês não esperavam, hein? Tavam achando que era tudo profissa e cheio de esquema? Não, não. São apenas dois pratos de bolo laminados ancorados por 4 temporadas de Lost. HAHA. Ridículo, eu sei. Mas é o que temos pra hoje. O rebatedor tem a função de… TCHARAM! Rebater a luz. O que significa que a cena ficará o mais iluminada possível, de ambos os lados, reduzindo drasticamente as sombras. Mas então muita sombra é ruim? De forma alguma. Tudo depende do que você deseja nas suas imagens. Para o meu blog, escolhi produzir fotografias hiperiluminadas e até um pouco superexpostas (isso eu explico com calma em outro post), então eliminar um pouco das sombras é necessário para trazer o resultado esperado.

5. Que equipamento você usa para fotografar e como você edita as imagens?

Uso duas câmeras Nikon, a D90 e a D3300, e três lentes: uma Sigma 50mm f/2.8 macro, uma Nikkor 35mm f/1.8 e uma Nikkor 18-105mm f/3.5-5.6. Ah, também uso um tripé Manfrotto Compact Action. A edição das imagens, na maioria das vezes, é feita toda no Adobe Lightroom, e não é nada muito heavy metal, não. Faço pequenos ajustes e não uso nenhum preset ou filtro (já me perguntaram também). Algumas fotos do Instagram são feitas com meu celular mesmo, um iPhone 4S, e editadas nos aplicativos Snapseed e – raramente – VSCO Cam.

Bom, acho que no geral é isso! Nem preciso dizer, mas é claro que não fui eu que inventei essas manhas todas. Eu aprendi (e continuo aprendendo) lendo e observando a produção das creative bloggers gringas, que já vêm desenvolvendo conteúdo assim há vários anos (lá fora o nicho dos blogs de DIY me parece tão concorrido e profissional quanto o dos blogs de moda vem se tornando no Brasil). Muitas dessas blogueiras costumam compartilhar dicas e truques pra fazer e fotografar os tutoriais, então basta ter paciência pra fuçar que rola aprender bastante coisa. É claro que hoje em dia a maioria delas tem à disposição muito mais recursos e equipamentos do que eu. Mas pelo que vi todas começaram assim, no improviso, então por que eu deveria ficar de mimimi e me impor limitações pra não brincar disso também?

Mas não é porque é possível que é simples. Tudo o que faço aqui dá, sim, um trabalho lazarento, pois, além da parte técnica, a bagunça é inevitável. Como vocês viram, não tenho um espaço específico pra desenvolver os projetos de DIY nem pra fotografá-los e, muitas vezes, preciso mudar coisas de lugar, puxar móveis de outros ambientes e inventar paredes que não existem. Tem horas que olho ao redor e não tem um espacinho sequer arrumado. Me dá um minidesespero do tipo ‘QUE MERDA É ESSA QUE FUI INVENTAR?’. Mas, ao mesmo tempo, talvez a parte que mais gosto do que venho fazendo aqui no blog seja exatamente a criação desses microuniversos. É divertido, gente. E como diríamos todos nós na quarta série: quem inventa, aguenta!

Ufa, cabô! Espero que vocês tenham se divertido vendo um pouco do behind the camera do blog. Se tiverem alguma outra curiosidade, joguem nos comentários que tento responder e/ou fazer outro post complementar. Na real eu pensei em continuar mostrando os bastidores, eventualmente. Mais pela diversão, sem tanta explicação assim, até porque já contei quase tudo hoje. Vocês curtem? Ou nadavê? Fala que eu te escuto.

Quadros geométricos com foto dica de decoração

Oi, gente! Lembra de uma época não muito distante em que revelávamos as fotos e guardávamos tudo bonitinho em álbuns da kodak que vinham de brinde? Eu tenho uma certa saudade desse processo todo, principalmente da ansiedade que dava esperar as fotos ficarem prontas. A gente tem aqui em casa umas câmeras antigas que funcionam muito bem, então ainda dá pra sentir essa alegria de vez em quando.

Quadros geométricos

Mas, se hoje em dia precisamos de um motivo especial pra botarmos as fotos digitais no papel, eu te dou um: decorar as suas paredes! Olha que legal esse DIY que mostrei hoje lá no Histórias de Casa. Faça você mesma-mesmo esses quadrinhos com fotos, em formato de triângulo, modernos, divertidos, poderosíssimos, os quadrinhos mais bonitos do brasil! Bem fácil, prometo.

Como ter uma horta dentro de casa

Oi, gents! Sentiram minha falta? Diz que sim! Eu tava de férias, por isso a ausência aqui no blog. Mas vamos já ficá feliz que tem post novo lá no Histórias de Casa.

Como ter uma horta dentro de casa

Meu DIY da vez é esse cachepô com uma mini horta, bom pra quem não tem espaço mas se liga muito nuns temperos fresquinhos. Eu confesso que já tentei ter horta em casa, mas ela ficava na sacada, onde venta muito, o que fazia as plantas secarem bem rápido (plus uma leve dificuldade que eu tenho em regar os matos com a frequência necessária). Não deu muito certo. Dessa vez botei o cachepô na lavanderia, ao lado de uma janela, aí acho que vai rolar melhor.

Então a ideia é essa: qualquer cantinho que tiver de bobeira dentro de casa – e que receba luz solar direta, plis – vai ficar bem mais bonito com uma hortinha assim. Corre lá pegar o tutorial (e tem download do ‘plante amor’, papaya with sugar, hein?). Se fizer me mostra? Adoro ver seus projetos. Beijo!

Quarto e uma cabeceira, ideias

E aí, pipou! Hoje o post é meio que 2 em 1. Eu mostro meu quarto e de brinde vem um DIY. Ou eu mostro um DIY e de brinde vem meu quarto. Tanto faz. A história que importa é que a Meu Móvel de Madeira me convidou pra customizar esta cabeceira ripada e fazer um tutorial para o blog da loja, e eu fiquei toda feliz e orgulhosa. Os dois primeiros móveis que comprei na vida, quando eu nem sonhava em ter um blog, quase 6 anos atrás, foram da MMM, então a parceria só podia envolver muita alegria mesmo.

Quarto e uma cabeceira, ideias

Quando topei o desafio de transformar a cabeceira, meu primeiro pensamento foi: não quero usar tinta. Porque essa seria a ideia mais óbvia e eu queria criar alguma coisa diferente. Eu também sabia que o DIY tinha que ter uma vibe meio boho, que era o direcionamento que eu tava dando pra decoração do meu quarto. Depois de muito bater a cabeça cheguei à solução dessa estampa étnica. Me senti muito espertinha (há), mas não sabia se ficaria da forma como eu esperava. Acabou que deu muito certo e eu fiquei felizona com o resultado. E aí? Pelas fotos já descobriu o material que usei na transformação da cabeceira? Então clica aqui pra tirar a dúvida e conferir o passo a passo completo no blog da Meu Móvel de Madeira.

Bom, e já que to te seduzindo com o DIY da cabeceira, aproveito pra mostrar um pouco como anda a decoração do meu quarto. Depois que fiz o post percebi que seria legal fotografar mais alguns detalhes, tipo os quadrinhos, a penteadeira, mas vou deixar pra outra hora, ok?

To pondo aqui a origem dos objetos e móveis, caso alguém queira saber:

Colcha Tok Stok | Almofada de olhinho DIY (não fiz passo a passo pro blog, mas é muito simples: pinta com tinta para tecido e seja feliz) | Almofada da cadeira ganhei de um amigo, não sei onde comprou | Luminárias Tok Stok | Quadrinhos com fotos pessoais e o ‘gracias a la vida’ eu mesma escrevi | Pendente de corda DIY (também mega fácil: cata umas cordinhas, amarra tudo num palito e dá aquela graça com um caninho de cobre) | Cortina Urban Outfitters | Penteadeira e criado-mudo ME Móveis (loja de Florianópolis, acho que não vende online)

E é isso, gents! Agora 6 me contam o que acharam de tudo? Beijo, brigaduuu (rosas do fábio junior pra vcs).

formas de pendurar pôsteres sem moldura + suporte para desenho de criança

Semana passada ganhei de presente os 3 pôsteres lindos que o Histórias de Casa lançou em parceria com a loja Na Casa da Joana. A Bruna e a Paula, criadoras do HC, me propuseram um desafio: pendurá-los sem usar molduras convencionais. Eu já adoro botar coisas sem moldura nas paredes porque vivo mudando minhas ~obras de arte~. Aí fica mais fácil, né?

formas de pendurar pôsteres

Acabaram rolando 3 ideias divertides e modernes, que eu dividi lá no Histórias de Casa hoje. Na foto acima, uma das composições com os pôsteres e meu novo espelhinho que foi – TCHARAM – feito por mim, do ZERO – leia-se: até cortar o espelho eu cortei. Te juro. Semana que vem tem o passo a passo aqui no blog. Yay!

Bom, e como eu também não tinha colocado aqui o meu penúltimo DIY para o Histórias de Casa (pra quem tá chegando agora, eu colaboro com o blog quinzenalmente), aí vai uma prévia. Fiz um suporte fófis para desenho de criança, que também serve para pendurar recados, fotos ou até, olha só, pôsteres! Clique aqui pra ver o passo a passo completo.

Desculpem a pouca frequência dos posts no último mês. Vida tá maluca, mas já já volta nos eixos.

Semana que vem já tem DIY desse espelho triangular, não esqueçam, amigues.

Espelho em formato de triângulo

Já faz um tempinho que meu banheiro de visita tá sem espelho, porque a moldura do que tinha lá encheu de cupim e tive que jogar fora. Mantive o espelho, claro, para colocar outra moldura depois. Meses se passaram – sim, eu sou enrolada – e o negócio ainda tava lá, encostado. Aí esses tempos vi esse tutorial que mostra como cortar vidro em casa, e tive a ideia de fazer um espelho triangular, porque to obcecada com triângulos, haha. Me enrolei mais um pouco e agora, finalmente, o negócio saiu.

Espelho em formato de triângulo

Pra falar a verdade, eu fiquei na dúvida se botava o tutorial aqui, porque é bem gambiarrento (as molduraria pira). Nem tirar foto do materiais eu tirei, já que não sabia exatamente como iria fazer. Mas, ao mesmo tempo, achei que seria legal mostrar que dá pra criar um espelhinho manero com materiais simples de encontrar, que talvez você até já tenha em casa. Ok, o cortador de vidro você não deve ter, mas é fácil encontrá-lo em lojas de ferramentas ou de materiais de construção, e custa menos de 10 reais. Vê só como foi a pirateada:

Materiais:

Espelho | Madeira | Cortador de vidro | Régua | Lápis | Serrote | Fita crepe | Cola epóxi | Arame | Alicates | Pregos | Martelo | Suporte para quadro | Tinta e pincel (opcionais) | Luva e óculos de proteção

Passo 1

Desenhe o triângulo no espelho com a canetinha permanente.

Passo 2

Passe o cortador de vidro sobre a linha traçada no espelho. Eu tentei fazer com a régua, mas meio que escorregava, então fiz fristaile mesmo. Esse cortador de vidro funciona assim: você faz um risco no espelho e parece que não aconteceu nada, haha. Não vai simplesmente cortar ao meio só de passá-lo, como se fosse um estilete. Você tem que quebrá-lo (no passo 3 explico). Dá medo, dá MUITO medo. Mas vai com calma e coragem que dá certo. Eu apliquei uma certa força no risco, porque da primeira vez que passei o cortador o espelho não quebrou.

Passo 3

Essa é a hora que dá medo. Pra garantir sua segurança, recomendo que use óculos e luvas de proteção. Não aconteceu comigo de sair espelho voando, mas quanto mais segura-seguro você estiver, melhor. Eu quebrei o espelho assim: apoiei sobre a beirada de uma mesa firme e forcei para baixo na linha do corte. Ele não quebrou com tanta facilidade, talvez porque o meu espelho era mais grossinho. Por isso a gente fica inseguro, acha que não vai rolar, mas rola sim. Veja que no lado direito a parte de cima ficou torta, provavelmente porque eu não tinha riscado direito naquela área.

Se você quer ter mais clareza de como cortar o espelho

Passo 4

Corte 3 pedaços de madeira um pouco maiores que os lados do triângulo.

Passo 5

Posicione um sarrafo sobre a borda espelho e risque uma linha seguindo a sua diagonal (5a). Corte a madeira com o serrote (5b). Em seguida, coloque outro pedaço de madeira (5c) e risque seguindo a linha externa da madeirinha anterior (5d). Repita esses passos para completar a moldura (5f). Fica meio difícil explicar, mas pelas fotos dá pra entender, né?

Passo 6

Cole os pedaços de madeira e use a fita crepe para ajudar a segurar e firmar enquanto a cola seca. Eu passei cola epóxi, porque já ia usá-la para colar o espelho na moldura, mas se você tiver cola para madeira, acho que é melhor.

Passo 7

Agora é que a gambiarra fica tensa, haha. Eu criei grampinhos de arame galvanizado com os alicates, e martelei na junção das peças, porque só a cola não deixaria a moldura tão firme. Meu arame era meio grosso e achei que não fixou tão bem, por isso também usei grampeador normal pra ajudar (veja no 8). Se você tiver um arame mais fininho acho que fica melhor.

Passo 8

Cole a borda do espelho na moldura. Se você também quiser pintar a madeira, faça isso antes de colar o espelho.

Passo 9

Martele alguns pregos rente ao espelho (9a) e entorte-os com o alicate (9b), para fazer umas ‘garrinhas’. Faça isso em todos os lados (9c), para segurar bem o espelho.

Passo 10

Como o acabamento ficou ó, uma bosta, resolvi passar fita crepe para dar uma melhorada, e também já ajuda mais um pouco a segurar tudo no lugar.

Passo 11

Pra finalizar, fixe o suporte para quadro no verso da moldura. Normalmente ele já vem com os preguinhos no tamanho certo. E agora acabô!

É isso, gents, até que não é difícil, né? Se você tiver muito medo de cortar o espelho também pode levá-lo a uma vidraçaria. E ah! Eu não manjo tudo dos paranauê, não, hein? Eu testo e experimento muita coisa. O que dá certo eu compartilho com vocês, mas, se alguém aí tiver ideias melhores/mais práticas para fazer a mesma coisa, compartilha com a gente!

DIY Porta-arquivos

Outro dia fui convidada pela Isabela, do fofíssimo blog Dele e Dela, a fazer um post de DIY por lá. Ela sugeriu que fosse algo relacionado a casal, e decidi colocar em prática um projetinho que já tinha há tempos na cabeça. Fiz dois porta-arquivos, ou porta-revistas, ou porta-documentos (não sei exatamente como chama isso, mas você usa como bem entender, haha), que ajudam todo mundo a se organizar melhor. Tem até espacinho pra por o nome da pessoa ou indicar o conteúdo. Não é legal?

Ah, antes que você pergunte, o papel contact marmorizado é fácil de achar! Comprei em uma papelaria comum, e o preço é similar ao dos outros tipos de contact. O tutorial completo você vê lá no Dele e Dela. Vai lá!

Decoração Romântica

Quando vou projetar, gosto de me inspirar observando ambientes montados e decorados que encontro pela internet. E foi então que me surgiu uma ideia: por que não criar uma tag no blog inspirada nos blogs de moda e ajudar outras pessoas?

Vou tentar escolher um ambiente bonito de vez em quando (se possível 2 vezes por mês) e montar um “Get the Look” colocando peças parecidas, onde podemos encontrá-las e seus preços. Espero que gostem!
Segue abaixo nosso primeiro Get the Look:

Decoração Romântica

1 – Poltrona Pied de Poule, na Shoptime por R$ 1.359,20; 2 – Quadros, no Rei dos Quadros por R$ 54,99; 3 – Almofada, na Tok Stok por R$ 79,90; 4 – Flores; 5 – Mesinha lateral, na Tok Stok por R$ 550,00; 6 – Caneca florida, na Maria Presenteira; 7 – Abajur da Forma Fina por R$ 145,00